2º CICLO DE CONFERÊNCIAS

2021/2022

Este ciclo de conferências está integrado na última etapa de uma investigação de pós doutoramento de Bruno Schiappa – CET (Ulisboa) e CREPAL (Sorbonne Nouvelle) –, que pretende questionar a relação entre Arte e Sociedade. Tendo partido de uma relação limitada ao Teatro e Sociedade, Schiappa reconheceu que se tratava de uma relação mais lata, uma vez que a Arte em geral tem impacto na construção da sociedade e do indivíduo, nesta ordem ou na inversa. O espaço e tempo de expressão que a Arte oferece, resultam num laboratório de (re)conhecimento do(s) indivíduo(s) e da sua psicologia. Eros e Thanatos estão interligados, uma vez que um tem as pulsões de vida que o outro depois faz desvanecer. Essas mesmas pulsões estão associadas à líbido conforme isolada por Freud. É a partir deste mote, dos teatros da mente e do corpo, que este ciclo propõe questionar como pode a Arte continuar a dialogar com o público sobre a(s) sexualidade(s) e, também, que sexualidade(s) poderão surgir num período pós pandémico.

O fantástico, a sedução dos sentidos, o erotismo, a fantasia e, claro, ainda e sempre, Aristóteles, serão temas de reflexão sobre a relação Arte e Sexualidade(s), que, sublinho, não é a mesma coisa que sexo e, muito menos, ato sexual. É muito mais do que isso!

Bruno Schiappa

 

Curadoria e Moderação Bruno Schiappa – CET (Ulisboa) e CREPAL (Sorbonne Nouvelle)

Supervisão e Consultoria Científica Fernando Guerreiro e Maria João Brilhante (Ulisboa)

 

 

SALÃO NOBRE, QUA, 15:00

 

15 DEZ 2021 Rui Cintra

A FANTASIA COMO REPRESENTAÇÃO MENTAL DA(S) SEXUALIDADE(S) E A SUA TRANSPOSIÇÃO PARA AS ARTES

 

16 FEV 2022 Maria João Brilhante

AINDA ARISTÓTELES: ETHOS E REPRESENTAÇÃO DO HUMANO

 

2 MAR 2022 Luís Castro

EROTISMO E FANTÁSTICO NOS PROCEDIMENTOS CONCEPTUAIS DA KARNART
UMA ABORDAGEM COMPARATIVA DOS CASOS DE HERMAPHRODITA (2015); COMMEDIA INFERNO (2016); IDÍLIO (2019) E CRATUZ (2021)

 

Já realizadas

6 OUT 2021 Bruno Schiappa

PENSAR A(S) SEXUALIDADE(S) E COMO A(S) PODEMOS (RE)CONHECER ATRAVÉS DAS ARTES

 

Questionar e revisitar o conceito de sexualidade. Confunde-se com a atividade sexual ou mais com a fantasia e o desejo? E como se podem identificar as várias sexualidades, a partir de pequenos indícios ou energias performativas? Como, e em que medida, o (re)conhecimento dessa diversidade altera ou molda o nosso pensamento? Haverá ainda lugar a uma apresentação informal, e não oficial, do MSTsite, que está a ser construído desde 2018, e que irá funcionar como depósito de contributos e das etapas da investigação, além de apresentar uma extensa bibliografia sobre o tema.

 

17 NOV 2021 Bruno Schiappa

A ESTIMULAÇÃO ERÓTICA E A SUBLIMAÇÃO SEXUAL NOS GÉNEROS DO FANTÁSTICO E DO HORROR
DRÁCULA E O MAL COMO ÁLIBI DO DESESEJO – COPPOLA VERSUS STOKER

 

Por razões alheias à organização, a conferência de dia 8 de outubro não aconteceu. Dia 17 de novembro iremos recuperar o tema anterior e associá-lo a modos de mostrar o indizível através dos géneros Fantástico e Horror, através dos seguintes tópicos:

1 – Questionar e revisitar o conceito de sexualidade. Confunde-se com a atividade sexual ou mais com a fantasia e o desejo? E como se podem identificar as várias sexualidades, a partir de pequenos indícios ou energias performativas?

2 – Os géneros Fantástico e Horror, tratam de fantasias e mitos, mas, como veremos, estimulam também as pulsões sexual e agressiva, que Freud isolou na pulsão da Morte.  Eros e Thanatos ligavam-se (e ligam-se) para se poder falar de assuntos tabu.

O caso específico de Drácula, surge como exemplo da integração do desejo escudado pela responsabilização do Mal. Ao longo de várias décadas, cineastas internacionais operaram uma versão cinematográfica, mas foi Francis Ford Coppola quem foi mais longe mostrando, de modo óbvio, o que Stoker descrevia com alguma camuflagem.

3 – Pensar como, e em que medida, o (re)conhecimento da diversidade de sexualidades, altera ou molda o nosso pensamento?

4 – Antes de dar a palavra ao público, terá lugar uma apresentação informal, e não oficial, do MSTsite, que está a ser construído desde 2018, e que irá funcionar como depósito de contributos e das etapas da investigação, além de apresentar uma extensa bibliografia sobre o tema.

 

ENTRADA LIVRE
(Sujeita a marcação prévia: mstsite2018@gmail.com)