BEATRIZ NUNES

14 Mai 2019

BEATRIZ NUNES

Portugal
CICLO MUNDOS

Sinopse

Datas e Horários

14 MAI
Ter 21:00

Sala e Preços

Sala Carmen Dolores

Classificação

M/6

BEATRIZ NUNES Portugal
Canto Primeiro é o título do seu álbum de estreia em 2018, mas não traduz verdade porque Beatriz Nunes, 30 anos, tem um percurso já vasto, feito de estudo e entrega, de experiências intensas, e de exploração de múltiplas vertentes, da música popular e do jazz, à erudição do canto lírico. Na verdade, 30 anos é muito pouco para tanta bagagem. Premiada pela European Jazz Network com um primeiro lugar para a conferência On The Edge, Beatriz Nunes tem feito um percurso entre a música clássica e o jazz. Beatriz Nunes procura os mais elevados espaços para a sua voz e em Canto Primeiro expõe alma e técnica apurada em reportório próprio e até num pequeno tesouro de um grande José Afonso, como quem reclama um lugar numa historia que ainda continua a ser escrita.

 

1ª Parte
MAGANO
Há quatro anos, a paixão pelo Cante Alentejano uniu três músicos: Sofia Ramos, Nuno Ramos e Francisco Brito, cada um com as suas influências e referências musicais próprias. Juntos chamam-se Magano, e dão uma nova expressividade a esta música que é Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO
Para o trio, o Cante Alentejano tem algo especial, comum a toda a música tradicional. É uma forma de expressão muito verdadeira e, por isso, com um grande peso emocional. Nuno e Sofia têm uma ligação quase umbilical ao Cante uma vez que, apesar de não serem alentejanos, desde muito cedo tiveram contacto com esta música, muito por culpa do avô, que fez parte do grupo coral Safara.
Simultaneamente, Sofia desde os seis anos que se dedicou ao fado, não esquecendo o momento em que recebeu o seu primeiro disco de Amália Rodrigues. Ainda hoje canta em várias casas de fado de Lisboa. Já Nuno, além do Cante, também colaborou em projetos que vão do rock à música eletrónica. Francisco vem de outro mundo, o do jazz, mas a música tradicional sempre foi um dos seus grandes interesses. A relação com o Cante tornou-se, assim, intuitiva e natural.
Lançaram agora o seu primeiro álbum, e com este trabalho pretendem fazer chegar o Cante mais longe, dando-lhe uma nova sonoridade, mas mantendo a integridade que torna esta música tão especial.

 

 

CICLO MUNDOS

Desde 2016, no âmbito de uma parceria global com o Festival Músicas do Mundo de Sines, que a Fundação INATEL promove, em Lisboa, no Teatro da Trindade INATEL, a iniciativa musical Ciclo Mundos – programa anual que abre caminho e dá espaço à música que se faz no mundo, protagonizando uma atitude que reflete e representa os valores e os grandes propósitos que enquadram a atividade da Fundação.
O Ciclo Mundos, que vai para a sua 5ª edição, pretende gerar sinergias e oferecer ao público uma proposta musical intercultural, intergeracional e universalista, com fortes raízes nas culturas populares, numa Lisboa multicultural, posicionando-se como um espaço plural que acolhe e celebra o legado intangível da Humanidade, reafirmando e projetando o seu respeito pelas tradições culturais.

Ficha artística